google.com, pub-7228869011542059, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

Explorando as Origens do Conflito Palestina-Israel


Imagem representativa do conflito entre Hamas e Israel.
Conflitos na região ocorrem há quase 100 anos; ofensivas deste sábado deixaram mais de 300 mortos... Leia mais no texto original: (https://www.poder360.com.br/internacional/entenda-o-conflito-entre-hamas-e-israel/) © 2023 Todos os direitos são reservados ao Poder360, conforme a Lei nº 9.610/98. A publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia são proibidas.

Neste artigo, mergulhemos nas profundezas do conflito entre Israel e Palestina, uma disputa que tem suas raízes entrelaçadas com eventos que remontam ao final do século 19 e início do século 20. Desvendaremos as complexas origens desse conflito por território. Prepare-se para uma viagem ao passado, onde imigração, nacionalismo e geopolítica se entrelaçam para criar uma narrativa intrigante.


O Ataque Surpresa do Hamas e a Retaliação de Israel


No dia 7 de outubro de 2023, o grupo palestino Hamas pegou todos de surpresa ao realizar um ataque a Israel. Como resposta, o governo israelense declarou guerra e lançou operações de retaliação. Embora seja o maior conflito armado na região nos últimos anos, é fundamental entender que a disputa territorial entre palestinos e judeus é uma questão de décadas.


Reivindicações Territoriais: Um Ponto de Conflito


Ambos os grupos, palestinos e judeus, reivindicam o mesmo território, que possui importantes marcos históricos e religiosos para ambas as etnias. No entanto, as reivindicações territoriais são apenas uma parte do problema.


O Início da Imigração Judaica-Palestina


Tudo começa com a imigração judaica-palestina, uma ideia que germinou no final do século 19. Os judeus europeus buscavam uma terra onde pudessem escapar do antissemitismo que assolava a Europa. A #Palestina, naquela época, surgia como uma referência, um horizonte de possibilidade. Assim, começaram a construir colônias e uma estrutura estatal própria na região, alimentando a esperança de formar um estado judeu.


A Década de 1920: Crescimento das Tensões


Historiadores nos mostram que a década de 1920 testemunhou o crescimento das tensões entre os judeus recém-chegados às colônias na Palestina e o emergente Movimento Nacional Palestino. Os palestinos começaram a ver os judeus como inimigos. No entanto, as tensões só ganharam nova escala na década seguinte, durante os anos 1930.


Antissemitismo e Nazismo na Europa


Os anos 1930 foram marcados pelo auge do antissemitismo, especialmente na Alemanha e na Áustria, devido ao surgimento e fortalecimento do nazismo na Europa. Nesse período, algumas lideranças palestinas começaram a apoiar Hitler, e os judeus começaram a chegar em massa na Palestina. A Segunda Guerra Mundial deixou cicatrizes profundas, e o mundo estava prestes a tomar decisões que moldariam o futuro da região.


A Proposta da ONU e o Estabelecimento de Israel


Após a Segunda Guerra Mundial, a recém-criada Conselho de Segurança e Secretaria-Geral da Organização das Nações Unidas - Secretário-Geral da ONU propôs a partilha do território palestino, que serviria como base para a criação do Estado de Israel.


Surpreendentemente, tanto a União Soviética quanto os Estados Unidos apoiaram essa iniciativa, desencadeando uma guerra civil entre israelenses e palestinos.


O Estado de Israel emergiu vitorioso dessa guerra, estabelecendo-se como uma nação judaica na Palestina. No entanto, o estado árabe na Palestina não se concretizou naquele momento, tornando-se uma pedra angular da tensão que persiste até hoje.


A Invasão de 1967: Cisjordânia e Faixa de Gaza Ocupadas


Em 1967, como resultado dessa tensão contínua, Israel lançou a Guerra dos Seis Dias, invadindo os territórios da #Cisjordânia e da Faixa de Gaza, territórios que permanecem ocupados até hoje. Historiadores observam que essa invasão deu origem a uma ideia de cidadania desigual, onde judeus são cidadãos e árabes e palestinos não.


Colônias e Tensões Contínuas


Na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, começaram a surgir colônias formadas por grupos religiosos messiânicos de extrema-direita. Essas colônias dificultaram qualquer tentativa de retirada dos israelenses desses territórios, resultando em uma intensificação da opressão sobre os palestinos. A liderança atual nos territórios palestinos acentuou ainda mais as tensões, colocando em risco não apenas os palestinos, mas também a sociedade israelense.


O Confronto Atual


O cenário atual é marcado por confrontos intensos entre o Exército israelense e as forças do Hamas. O ataque surpresa do grupo extremista a Israel resultou em um dos dias mais mortais de violência em Israel nas últimas cinco décadas. A incursão do Hamas em Israel e a resposta de Israel em Gaza deixaram centenas de mortos de ambos os lados, além de uma escalada preocupante da violência.




O Hamas: Uma Organização Complexa


O Hamas, sigla árabe para "Movimento de Resistência Islâmica," é a maior organização islâmica na Palestina, de orientação sunita. Ela desempenha um papel multifacetado na região, oferecendo serviços sociais à população palestina, que vive predominantemente em áreas pobres e com infraestrutura precária.


Mas o Hamas também é conhecido pelo seu braço armado, que luta pela soberania da Faixa de Gaza. A organização já reivindicou a totalidade da Palestina, o que inclui o território israelense e a cidade de Jerusalém. Importante notar que o Hamas não reconhece Israel como país, uma posição que os Estados Unidos, a União Europeia e Israel classificam como terrorismo.


Ofensivas Recentes e suas Consequências


Em janeiro de 2023, israelenses invadiram um campo de refugiados, resultando na morte de 7 soldados palestinos e 2 civis. Muçulmanos responderam com foguetes da Faixa de Gaza contra Israel, desencadeando novos ataques aéreos israelenses.


Em maio do mesmo ano, Israel lançou um ataque aéreo direcionado a líderes militares muçulmanos, resultando em 10 mortes. Este ataque aconteceu apenas uma semana depois de um cessar-fogo ter sido estabelecido com facções armadas palestinas. Seguiram-se 5 dias de intenso conflito, com um novo cessar-fogo estabelecido em 13 de maio.


Em junho, Israel realizou uma ofensiva em Jenin, na Cisjordânia, usando helicópteros militares pela primeira vez desde a 2ª Intifada. Pelo menos 5 palestinos morreram na ação. No dia seguinte, membros do Hamas abriram fogo em um assentamento israelense, resultando na morte de pelo menos 4 pessoas.


A situação se agravou com o ataque do Hamas em 7 de outubro e a subsequente retaliação de Israel. Até o momento, pelo menos 382 pessoas perderam a vida devido às ofensivas.


Resposta Internacional


Diversas autoridades internacionais condenaram o ataque do Hamas, enquanto os Estados Unidos afirmaram que estão prontos para apoiar Israel. A complexidade desse conflito fica evidente na resposta global e nas perspectivas divergentes sobre como resolver essa questão.


Conclusão


As origens do conflito entre Israel e Palestina são complexas e multifacetadas, com raízes que remontam a mais de um século. O nacionalismo, a imigração, o antissemitismo e os eventos geopolíticos moldaram a narrativa atual. A busca por uma solução pacífica continua sendo um desafio, mas entender as origens desse conflito é um passo essencial para encontrar um caminho para a paz.


FAQs sobre o Conflito entre Hamas e Israel


1. Qual é a causa principal do conflito entre o Hamas e Israel?


O conflito tem raízes em disputas territoriais, históricas e religiosas. Ambos os grupos reivindicam o mesmo território, o que levou a décadas de tensão e confrontos.


2. O que é o Hamas?


O Hamas é uma organização islâmica palestina que possui tanto um braço político quanto um braço armado. Ele luta pela soberania da Faixa de Gaza e não reconhece Israel como país.


3. Qual é o papel da comunidade internacional nesse conflito?


A comunidade internacional desempenha um papel significativo, com várias nações e organizações buscando mediar e resolver o conflito. No entanto, as opiniões sobre como fazer isso divergem amplamente.


4. Como o conflito afeta a população civil?


Infelizmente, a população civil é frequentemente afetada por esse conflito, sofrendo com a violência, a destruição e a instabilidade.


5. Há esperança de resolução pacífica?


Embora o conflito seja profundamente arraigado, sempre há esperança de uma solução pacífica. No entanto, alcançar essa paz é um desafio complexo que requer cooperação de todas as partes envolvidas.


Esperamos que esta análise tenha fornecido insights sobre o conflito entre o Hamas e Israel, um tópico de grande relevância e complexidade na atualidade. A busca por uma solução pacífica continua, enquanto a comunidade internacional observa atentamente.


4 visualizações0 comentário

תגובות

דירוג של 0 מתוך 5 כוכבים
אין עדיין דירוגים

הוספת דירוג
bottom of page