google.com, pub-7228869011542059, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

Desvendando o Mistério de TWIN PEAKS: Uma série que mudou a maneira como vejo TV.

Atualizado: 13 de fev.


Créditos — Divulgação — A Primeira Cena da Abertura é a chegada à cidade

Sobre a série.


Twin Peaks é uma telesérie estadunidense de 1990, criada por Mark Frost e David Lynch, sobre a investigação do agente do FBI Dale Cooper sobre o assassinato da estudante de colegial Laura Palmer na cidade ficcional de Twin Peaks, em Washington, tendo seu episódio piloto exibido em 8 de abril de 1990 na emissora ABC, seguido de sete episódios formando a primeira temporada.



O enredo foi considerado revolucionário na época, pois fugia das fórmulas de outras séries que, geralmente, buscavam algum senso de moral. Twin Peaks possuía uma história complexa nunca vista em uma série antes, personagens estranhos e excêntricos, tramas cheias de mistérios, sendo difícil categorizá-la, pois possuía momentos alternados entre suspense, surrealismo, drama, policial, humor e terror psicológico. A série influenciou outras séries, como Arquivo X.A misteriosa morte de Laura Palmer, a música tema de Angelo Badalamenti, assim como a forma como cada habitante de Twin Peaks estava envolvido com a morte de Laura Palmer, ajudaram a segurar o trama e a tensão e ter uma 1ª temporada aclamada pelo público e crítica até os dias atuais.


Twin Peaks tornou-se um dos programas mais assistidos da década de 1990 e um sucesso internacional de crítica. Refletindo seus fãs dedicados, a série tornou-se parte da cultura popular, se tornando referência para outras séries de televisão, comerciais, quadrinhos, jogos eletrônicos, filmes e músicas. Em 10 de junho de 1991 foi lançado a segunda temporada, com 22 episódios, contando com mais cenas surrealistas e mais personagens.


As diversas mudanças de horários por parte da ABC prejudicaram a audiência, e fizeram com que a emissora pressionasse David Lynch para que ele revelasse o assassino de Laura Palmer. Esta revelação acarretou um menor interesse do público pela série, já que a morte da Laura Palmer ajudava a manter a tensão na série. Em 1992, a série teve uma prequela que mostrava os últimos dias de Laura Palmer, o filme Twin Peaks: Fire Walk with Me e em 2017 a série retornou como uma série limitada de 18 episódios no canal a cabo Showtime.


Produção


Ambientada na cidade ficcional de Twin Peaks, em Washington, as cenas exteriores foram filmados principalmente em Snoqualmie e North Bend, com cenas adicionais gravadas no sul da Califórnia. A maioria das cenas interiores foram filmadas em cenários construídos em um armazém no Vale de São Fernando. Lugares estes nos Estados Unidos. Sim, tem gente que pergunta.


Transmissão


No Brasil, a série começou a ser transmitida pela Rede Globo em 7 de abril de 1991, sempre aos domingos, logo após o Fantástico. Porém, este era um horário ruim para os que queriam assistir à atração, uma vez que teriam que acordar cedo na segunda-feira para estudar, trabalhar, etc. Ademais, desde o início, a emissora “reformatava” todos os episódios para fazê-los “caberem no espaço da grade já com muitos intervalos comerciais”, para tanto, “cortava” vários minutos de cada episódio, eliminando trechos que “a emissora considerava detalhes”. Estes cortes dos “detalhes” prejudicou de imediato o entendimento da série, uma vez que, como sempre foi a tradição de David Lynch, as explicações e o “sentido do todo” estão sempre em detalhes que se somam de episódio para episódio e, sem estes, a série ficava totalmente sem sentido.


Com isso, o retorno em audiência foi baixo, e a emissora pulou alguns episódios — piorando ainda mais o entendimento da série pelos telespectadores e a audiência — e, logo depois, cancelou por completo sua transmissão, criando uma verdadeira confusão com aqueles que tentavam acompanhar a série. Em 1993, a Rede Record recolocou o seriado na televisão aberta brasileira, exibindo todos os seus episódios por completo, sem cortes e na sequência, até 1994, fazendo a série ser entendida e conquistando fãs aficionados; a emissora ainda voltaria a reprisar Twin Peaks em 1995 após uma breve pausa.


Quando a série foi lançada em VHS e DVD, tornou-se um cult. Depois de mais de 20 anos, a série ganhou uma reprise pelo Canal Viva da Globosat a partir do dia 1.º de maio de 2012.


E vocês acreditam que, quando contei sobre esta série, há alguns anos, me disseram que eu estava inventando?






Recepção da Crítica


Em sua primeira temporada, Twin Peaks teve ampla aclamação por parte da crítica especializada. Com base de 16 avaliações profissionais, alcançou uma pontuação de 96% no Metacritic. Por votos dos usuários do site, atinge uma nota de 9,3, usada para avaliar a recepção do público. Já a segunda temporada de possui uma nota de 9,0 dada pelos usuários do mesmo site.


No agregador de resenhas Rotten Tomatoes, a primeira temporada de Twin Peaks possui 98% de aprovação dos críticos reunidos no site, enquanto a segunda temporada possui 87%.


A série me marcou por quê? E por que você DEVE assistir.


Esse marco gigantesco na televisão se deu por conta da complexidade compreendida na série, tipo de narração restrita ao cinema. Antes de Twin Peaks, as histórias dessas produções eram simplistas e consideradas até mesmo infantis.


Cada personagem mostrada na “novelinha”, o que seria a primeira temporada, de 10 episódios, tem um caráter excêntrico, com inúmeras manias, moralidades e gostos bem característicos.


O sucesso na TV foi tão grande que a pergunta “quem matou Laura Palmer?” rodava o mundo todo, deixando os espectadores hipnotizados e com um nó na cabeça por não saberem desvendar o mistério documentado em cada capítulo.



Ao fim da primeira temporada, não foi revelado o assassino — como planejou o Lynch — Porém, as ligações de fãs desesperados para saber quem tinha matado a garota na emissora eram tantas que o cineasta decidiu fazer mais 22 episódios, com o cunho não só investigativo, mas agora sobrenatural.

Bom, confessarei uma coisa, a série também me marcou, porque me deixou sem dormir durante dias, por conta de uma cena no final do primeiro episódio da segunda temporada. Que na Rede Globo, não foi transmitido assim, como falei lá em cima, na parte descritiva da série. Como era domingo a noite, estava caindo de sono, e acordei justo com os gritos que aparecem na cena. Parei de assistir à série aí. As informações complementares da série, fui procurar nos jornais e revistas da época (o que já eram poucas em virtude da baixa audiência do seriado tanto nos EUA quanto no Brasil).



Assisti a prequela do seriado, três anos depois,Twin Peaks: Fire Walk with Me, e aquele desconforto voltou e novamente, fiquei dias sem dormir.

Isso só passou quando tomei vergonha na cara e como era muito fã do seriado, comprei o DVD e assisti todos os episódios e sim incluindo o pesado. Foi libertador, fiquei ainda mais fã da série.

Abaixo apresento alguns motivos para você assistir à série.


Primeiro motivo: Aceite o estranho, surreal e o sobrenatural.



Alguns dos personagens sobrenaturais da série

O ponto altíssimo de Twin Peaks é que a série engloba vários acontecimentos surreais e sobrenaturais, além de termos personagens muito, mas muito estranhos! Logo no primeiro episódio, vemos o personagem principal em uma sala vermelha, com piso listrado, ao lado da jovem morta Laura Palmer (Sheryl Lee) e um anão dançante. Tudo isso é apenas uma visão do agente, mas que deve ser levada bastante a sério, afinal, essa não é apenas uma sala qualquer e, sim, uma espécie de passagem para outra dimensão. Além disso, no decorrer dos episódios, a história nos apresenta sonhos, intrigas, aparições, visões e recados do além que ganham um significado real na trama. Isso sem contar nos personagens estranhos como o anão dançante, o homem-gigante, o velho-anjo, o homem de um braço só, a mulher do tronco (The Log Lady), o pássaro que fala, o aterrorizante Bob e assim por diante. Por isso, aceite, abrace e divirta-se com essa estranheza, pois é ela quem dá não só o toque especial na série, como também as pistas para descobrir quem é o assassino de Laura Palmer, além de ajudar a desvendar muitos outros mistérios.


Segundo motivo: O bom humor de Twin Peaks


A série não é só de morte e mistério! Ela também tem o seu lado cômico e isso é maravilhoso! Em diversos momentos você vai se pegar soltando aquela risada espontânea ao se deparar com uma cena inacreditável que faz você pensar que ela está totalmente fora do contexto (mas não está). Tudo isso é garantido pelos próprios personagens e suas ações. Há algumas cenas que achei muito divertidas. A primeira é quando o agente Cooper e o xerife Harry estão na clínica veterinária e, de repente, aparece um lhama que para entre os dois, encara o Cooper e depois sai ‘fazendo à egípcia’ como se nada tivesse acontecido. Essa cena é simplesmente demais! Não tem como não rir!

Terceiro motivo: Elenco fenomenal



Não tem como negar: o elenco de Twin Peaks é fenomenal e cada personagem tem a sua peculiaridade, algo que vai te conquistar rapidamente. Adorei todos os personagens como Audrey (Sherilyn Fenn), Donna (Lara Flynn Boyle), James (James Marshall), Shelly (Mädchen Amick), Bobby (Dana Ashbrook), Ed (Everett McGill) e Ben Horne (Richard Beymer). Cada um já chama a atenção individualmente e quando estão juntos, a diversão é garantida e o mistério se torna ainda mais envolvente.

Confessarei outra coisa, por favor, não me chamem de misógino: as TODAS as mulheres do seriado são lindíssimas.

Nem todos os atores eram conhecidos na época, mas fizeram sucesso graças a Twin Peaks. Por exemplo, Kyle MacLachlan pode ser visto também na série Sex And The City, no papel de Trey MacDougal, primeiro marido de Charlotte. Já em How I Met Your Mother, ele interpreta o capitão George, marido de uma das namoradas de Ted. Aliás, ele está envolvido na resolução do mistério do abacaxi. Quem assistiu à série sabe do que estou falando. Outra coisa legal é que o criador David Lynch também faz uma participação especial na série. Ele interpreta Gordon, chefe de Cooper, um agente que fala extremamente alto devido ao seu problema de audição. Não tem como não rir com ele também!

Quarto motivo e para mim o melhor: Dale Cooper



O Agente Especial do FBI Dale Cooper

Dale Cooper é o investigador que você respeita. Ele te conquista assim que coloca os pés na pacata cidade, pois o seu jeito “diferentão” é que torna a série especial. Em primeiro lugar, ele é um agente extremamente inteligente, que capta tudo o que está ao seu redor, inclusive, ele descobre rapidamente quem está pegando quem na série e isso é formidável! Além disso, Cooper leva tudo muito a sério, sejam visões, códigos, espíritos e enigmas. Ele não descarta absolutamente nada. É um verdadeiro Sherlock sobrenatural. Em segundo lugar, Cooper é uma pessoa que aprecia cada momento do seu dia e isso inclui os horários de comer. Café, torta de cereja e rosquinhas nunca podem faltar! Como ele enaltece e declara o seu amor pelo café, faz você ficar com vontade de ir até a cozinha preparar a sua xícara. Outro ponto interessante é que o agente está sempre com um gravador nas mãos registrando tudo para Diane, uma assistente especial que, além de ajudar com suas necessidades, escuta seus desabafos. Mas Diane é apenas citada e não aparece na série.



Quinto motivo: Trilha sonora


A trilha sonora de Twin Peaks é composta pelo talentoso Angelo Badalamenti. Ele é o responsável pela música da abertura da série, a trilha para as cenas tristes e de mistério, e também para os momentos em que os personagens estão tramando algo. Chamo de “trilha da malandragem”. É genial.



Citei o compositor neste texto aqui devido ao seu falecimento.


Ficha Técnica


Twin Peaks

Criação: David Lynch e Mark Frost

Roteiro: Mark Frost, David Lynch e equipe

Direção: David Lynch, Mark Frost, Duwayne Dunham, Tina Rathborne, Tim Hunter, Leslie Linka Glatter, Caleb Deschanel, Todd Holland, Graeme Clifford, Uli Edel, Diane Keaton, James Foley, Jonathan Sanger e Stephen Gyllenhaal.

Elenco: Kyle MacLachlan, Michael Ontkean, Sheryl Lee, Madchen Amick, Dana Ashbrook, Piper Laurie, Richard Beymer, Lara Flynn Boyle, Ray Wise, Sherilyn Fenn, Warren Frost, Peggy Lipton, James Marshall, Everett McGill, Jack Nance, Kimmy Robertson, Joan Chen, Harry Goaz, Michael Horse, Wendy Robie e Russ Tamblyn.

Duração: 2 temporadas (1990 – 1991) — 29 episódios (aprox. 50 a 60 minutos — o tempo varia no episódio inicial e final de cada temporada). 3ª temporada — 18 episódios.





Sobre série na internet:


Olha um exemplo de como Twin Peaks influenciou a televisão:

24 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page