google.com, pub-7228869011542059, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

Bullying e Cyberbullying: Mudanças Significativas no Código Penal Brasileiro


Cyberbullying

Em uma importante atualização do Código Penal, o governo brasileiro incorporou medidas rigorosas contra o bullying e o cyberbullying, reforçando a proteção contra essas práticas prejudiciais. As alterações abordam tanto o constrangimento ilegal presencial quanto virtual, refletindo a evolução da sociedade digital. Neste artigo, exploraremos as implicações dessas mudanças e como elas afetarão a punição para aqueles que praticam tais atos.


Novas Definições e Penalidades

Bullying: Uma Perspectiva Abrangente


O texto revisado do Código Penal define o bullying como "intimidar sistematicamente, individualmente ou em grupo, mediante violência física ou psicológica, uma ou mais pessoas, de modo intencional e repetitivo, sem motivação evidente, por meio de atos de intimidação, de humilhação ou de discriminação ou de ações verbais, morais, sexuais, sociais, psicológicas, físicas, materiais ou virtuais."


Cyberbullying: As Fronteiras Virtuais


No caso do cyberbullying, a legislação estabelece penas mais severas, com reclusão de 2 a 4 anos, além de multa. O termo abrange a intimidação sistemática realizada em redes sociais, aplicativos, jogos online ou em qualquer meio ou ambiente digital.


Agravantes e Penalidades Elevadas


O Código Penal também prevê agravantes para o bullying, como a prática em grupo (mais de três autores), o uso de armas ou envolvimento em outros crimes violentos. Essas circunstâncias podem resultar em penalidades mais rigorosas.


Ampliação das Penas para Crimes contra Crianças e Adolescentes


A atualização não se limita apenas ao bullying. Houve uma elevação das penas para outros crimes cometidos contra crianças e adolescentes.


Homicídio em Ambiente Escolar


No caso de homicídio de uma criança menor de 14 anos em uma escola (pública ou privada), a nova lei prevê um aumento de 2/3 na pena. Isso demonstra o compromisso em proteger ambientes educacionais e punir de maneira mais rigorosa crimes tão graves.


Indução ou Auxílio ao Suicídio


A pena para indução ou auxílio ao suicídio pode dobrar se o autor for identificado como "líder, coordenador ou administrador de grupo, de comunidade ou de rede virtual, ou por estes é responsável". Essa medida visa combater práticas que incitam danos irreparáveis.


Crimes Hediondos e Progressão de Pena


Com a nova legislação, os crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) agora são considerados hediondos. Isso implica que o acusado não pode pagar fiança, ter a pena perdoada ou receber liberdade provisória. Além disso, a progressão de pena torna-se mais lenta.


Ampliação da Lista de Crimes Hediondos


A lei sancionada nesta segunda-feira também inclui na lista de crimes hediondos outras três condutas:


  1. Indução ou auxílio ao suicídio ou automutilação, usando a internet;

  2. Sequestro e cárcere privado contra menores de 18 anos;

  3. Tráfico de pessoas contra crianças ou adolescentes.


Conclusão


Essas mudanças significativas no Código Penal refletem o compromisso do governo em enfrentar de maneira enérgica práticas prejudiciais como bullying e cyberbullying. As penalidades mais severas e a inclusão de novos crimes na categoria hedionda demonstram a busca por uma sociedade mais segura e justa. Cabe agora à sociedade e às instituições garantir a efetiva aplicação dessas medidas para promover um ambiente mais saudável e protegido para todos.

1 visualização0 comentário
bottom of page