google.com, pub-7228869011542059, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

A Importância de Tomar Decisões e Fazer Escolhas Conscientes


Decisões

Nos tempos atuais, a vida parece estar cada vez mais complicada. Diante desse cenário, é natural buscar a simplificação das coisas. No entanto, nem sempre é fácil tornar algo complexo em algo simples.


Quando agimos de forma precipitada, tendemos a ser extremistas e radicais em nossas visões. Por exemplo, podemos dizer: "Não posso gostar do time A, pois sou do time B". Talvez não nos permitir gostar de algo diferente ou quebrar regras autoimpostas nos dê uma falsa sensação de estabilidade e segurança.



No dia a dia, percebemos que as coisas raramente se encaixam em divisões tão claras quanto tentamos fazer. Mesmo que tivéssemos a intenção de separar e classificar categoricamente cada aspecto da nossa vida, frequentemente acabamos criando uma categoria chamada "outros". É aquela gaveta de bagunça na qual não conseguimos encaixar os itens de forma precisa. Até conseguiríamos, mas a preguiça de pensar nos impede de atribuí-los a uma categoria específica. Afinal, por que gastar energia em algo assim, não é mesmo? No final, acabamos acumulando esses itens indefinidos ou simplesmente nos desfazendo deles, porque agora somos todos minimalistas. Por mais sarcástico que isso possa parecer.



Entretanto, se analisarmos com mais cuidado, essa gaveta de "outros" acaba tendo mais itens do que todas as outras categorias juntas. Isso porque existem aspectos difusos e complexos na nossa vida, que se dispersam em várias direções.


Por exemplo, ao invés de separar completamente a razão da emoção, por que não juntá-las? Afinal, emoção e razão coexistem dentro do mesmo corpo. E mesmo assim, você consegue diferenciar claramente o que é apenas emoção e o que é puramente razão? E quando as coisas não oferecem apenas duas opções, como o dia ou a noite, mas também o amanhecer e o anoitecer? Como lidar com essa diversidade de escolhas?



Essa variedade de possibilidades também se aplica às nossas leituras. Gostei, não gostei ou não sei. Simplificamos dessa forma, buscando conforto imediato sem gastar energia para refletir. No entanto, essa abordagem nem sempre é benéfica, enriquecedora ou prazerosa.


Portanto, quando for ler um texto, pense além dessas classificações superficiais. Questione-se sobre o motivo que leva você a dar um "não gostei". Será que o texto estava realmente errado ou apenas desafiou suas crenças limitadas? Da mesma forma, quando você gostar de um texto, qual é o motivo? Ele reforçou algo que você já acreditava ou te trouxe um aprendizado novo e significativo?



Afinal, o caminho para o crescimento está em explorar as possibilidades e em fazer escolhas conscientes, questionando constantemente nossas decisões e crenças. E você, como tem lidado com suas decisões e escolhas? Compartilhe conosco sua experiência, afinal, cada jornada é única e valiosa.

4 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page